Líderes do Moçambola Zap querem voltar a conquistar a segunda maior prova do país

Detentor com tarefa fácil

O detentor do troféu, a União Desportiva de Songo, é a única equipa que vai encontrar um adversário do escalão secundário do futebol moçambicano, o Ferroviário de Quelimane, na Taça de Moçambique. Uma tarefa que se avizinha fácil, pelo menos em termos nível das equipas, uma vez que a UD Songo está no escalão principal e é líder do Moçambola Zap.

Mas esta competição é cheias de surpresas, uma vez que as ditas equipas pequenas têm surpreendido as grandes e conseguindo passar as etapas até chegar a final. Exemplo claro foi o afastamento precoce do Ferroviário da Beira, campeão nacional, por uma equipa da divisão de honra. E a UD Songo está avisada destas surpresas que pode encontrar diante do Ferroviário de Quelimane.

Uma certeza que tem a equipa de Songo, é que precisa sair de Quelimane, onde até já perdeu com o 1º de Maio, com um resultado que garanta encarrar a segunda mão com mais tranquilidade.

 

Maputo terá duas partidas

A capital do país terá duas partidas não menos importantes. Aliás, são jogos que envolvem equipas do Moçambola Zap, que muito bem se conhecem.

No campo do Costa do Sol, quatro dias depois, os dois “canarinhos”, de Maputo e de Tete, voltam a encontrar-se. Depois da vitória do Costa do Sol, no sábado passado, (3-0), o Chingale de Tete quer surpreender e regressar à sua província com resultado tranquilizador para o jogo da segunda mão.

Para além dos 3-0, que sofreu no sábado, na primeira volta do Moçambola Zap, o Chingale de Tete havia perdido em casa por 0-2. Desta vez, os “canarinhos” de Tete querem levar a melhor nestes quartos-de-final da Taça de Moçambique.

Já no Estádio Nacional do Zimpeto, o Maxaquene vai receber a ENH de Vilankulo. É um embate que vai servir de tira-teimas, uma vez que nestas duas épocas desportivas, houve um equilíbrio, com a balança a pender para o lado da turma agora orientada por João Chissano. Ano passado, a ENH venceu as duas partidas do Moçambola Zap e este ano, para a primeira volta do Moçambola Zap, os “tricolores” venceram à tangente.

Agora, para a Taça de Moçambique, a ser disputada em duas mãos, só resta esperar quem vai conseguir passar às meias-finais da prova e mais próximo do troféu. O Maxaquene, recorde-se, é finalista vencido desta prova, ano passado.

Fonte: O País