O grupo sul-africano Sasol pretende desfazer-se de activos no valor de mil milhões de dólares, incluindo de gás de xisto no Canadá, a fim de se concentrar na exploração e produção em Moçambique e na África Ocidental, e no negócio de retalho de combustíveis na África do Sul, disse o director financeiro do grupo.

Paul Victor, citado pela imprensa internacional, disse que os activos do Canadá têm um valor contabilístico de 513 milhões de dólares, estando o grupo interessado em se desfazer de mais 500 milhões de dólares em outros activos que não sejam considerados essenciais à sua actividade.

O director financeiro do grupo, segundo o “Notícias”, adiantou que este plano de venda de activos deverá ser conhecido em todos os seus pormenores em Fevereiro de 2018.

O grupo explora em Moçambique os campos de gás natural de Pande e Temane, na província meridional de Inhambane, que estão ligados à África do Sul por um gasoduto com uma extensão de 865 quilómetros até Secunda.

Além da prospecção petrolífera, o grupo sul-africano está igualmente envolvido em Moçambique, na Central Térmica de Ressano Garcia, uma central abastecida a gás natural localizada na fronteira entre os dois países.

A Central Térmica de Ressano Garcia é uma parceria entre a estatal Electricidade de Moçambique (51 por cento) e o grupo sul-africano com os restantes 49 por cento.

Fonte: AIM