Apesar da crise, presidente da LMF garante prova sem sobressaltos

A crise financeira que o país atravessa forçou, este ano, alguns patrocinadores a reduzirem o valor alocado ao Moçambola.

Ainda assim, o Campeonato Nacional de Futebol (Moçambola), que contou, pela primeira vez, com a participação de 16 equipas, decorreu dentro das previsões feitas pela Liga Moçambicana de Futebol (LMF), tanto em termos competitivos quanto de timings.

Em 2017, apesar do “alerta vermelho” lançado pelos patrocinadores que têm sido afectados pela crise financeira, o actual figurino do Moçambola irá manter-se. Ou seja, o campeonato continuará a ser disputado por 16 equipas num sistema de todos contra todos em duas voltas, sendo que o campeão será a equipa que tiver mais pontos.

Está, para já, fora de hipótese a possibilidade de se reduzir o número de equipas e adoptar-se o modelo dos campeonatos provinciais.

A garantia foi dada, ontem, por Ananias Couana, presidente da Liga Moçambicana de Futebol, que avançou ainda terem sido já feitos contactos com os parceiros e patrocinadores com vista a desembolsarem os fundos por antecedência.

Aliás, tal se deve ao facto do Moçambola-2017 iniciar mais cedo (arranca em Fevereiro) – do que no ano prestes a findar (onde iniciou em Março), situação que obriga a LMF a fazer alguns reajustes de modo a assegurar que, a 11 de Fevereiro, a prova arranque sem sobressaltos.

Nos últimos anos, lembre-se, aventou-se a possibilidade de a maior prova do calendário futebolístico moçambicano arrancar mais cedo, mas questões relacionadas com as dificuldades dos parceiros desembolsarem valores entre Janeiro e Fevereiro acabaram adiando este “sonho”.

O Moçambola-2017 contará com a participação do Ferroviário da Beira, campeão nacional; União Desportiva de Songo, vice-campeão; Chibuto FC; Ferroviário de Nampula; Liga Desportiva de Maputo; Ferroviário de Nampula; Ferroviário de Maputo; ENH de Vilankulo; Ferroviário de Nacala; Desportivo de Nacala; Chingale de Tete; Associação Desportiva de Macuácua; Textáfrica de Chimoio e Universidade Pedagógica de Lichinga.

A Associação Desportiva de Macuácua, recém-promovida ao Moçambola, está já a trabalhar no sentido de melhorar o seu campo para acolher jogos. No entanto, dada a complexidade das obras, o campo só estará disponível para acolher na segunda volta do Moçambola. Face a este cenário, a alternativa passa por este clube fazer a primeira metade do campeonato nacional no campo do Chibuto.

 Assembleia-geral da LMF a 26 de Janeiro

A Assembleia-Geral Ordinária da Liga Moçambicana de Futebol está agendada para o próximo dia 26 de Janeiro, em Maputo. No encontro, serão apresentados e discutidos os relatórios de contas e actividades relativos ao exercício de 2016.

Por outro lado, o elenco encabeçado por Ananias Couana deverá apresentar o plano de actividades para 2017, ano no qual será organizado o Moçambola e a Taça da Liga BNI, terceira maior prova do calendário futebolístico nacional.

Fonte: O País