Dirigentes políticos africanos instados a redefinirem a Agenda de Desenvolvimento do Continente colocando na ordem das prioridades, a Agricultura, a Educação, a promoção de Emprego e a construção de Infra-Estruturas.

Lideres, empresariais, da sociedade civil e académicos defenderam a redefinição da agenda no debate do papel da liderança política no future, no quadro do Fórum Económico Mundial para África que decorre desde esta quarta-feira, em Durban, sob o lema: Alcançar o crescimento inclusivo através da liderança sensível e responsável.
O empreendedor nigeriano, Tony Elumelu, é da opinião que o crescimento inclusivo no continente africano passa pela criação de um ambiente que destaca a promoção de parcerias e, sobretudo, pelo aprovisionamento de electricidade para todos.

“O mais importante é o estabelecimento de um bom ambiente para a criação de parcerias, com vista ao sucesso do próprio Continente. Se eu fosse um líder africano iria reorientar a minha agenda com vista a engajar-me nos esforços do resto do mundo.
Para a sul-africana, Lindiwe Mazibuko, a promoção do crescimento inclusivo em África passa pela escolha de líderes políticos comprometidos com o desenvolvimento.
Os líderes, segundo Mazibuko, devem estar comprometidos com o futuro do sistema educacional, o combate ao terrorismo, e as mudanças climáticas só para citar alguns exemplos.

“Infelizmente não temos pessoas certas para a implementação destas políticas. Penso que uma das questões críticas que devemos debater nesta fórum é, o que é que as pessoas, os líderes e organizações têm estado a fazer para assegurar uma geração novos lideres empresariais e políticos que possam levar avante as suas ideias, tornando-as uma realidade.
O Fórum Económico Mundial para África prossegue hoje no seu segundo dia consecutivo. Estão aqui reunidos mais de mil líderes empresariais e políticos, bem como intelectuais, para abordar questões mais urgentes que o mundo enfrenta.

Fonte: RM