Se sempre partilhou a ideia de que as galinhas devem muito à inteligência quando comparadas a outras aves, desengane-se. Elas podem ser superiores tanto ao nível social, emocional e, sobretudo, cognitivo.

Analisado pelo The Telegraph, citado pelo Notícias ao Minuto, um estudo da revista ‘Animal Cognition’ concluiu que estas aves têm traços de “Inteligência Maquiavélica”. Quer isto dizer que as galinhas, tal como os humanos, usam truques ou estratégias sociais de sobrevivência, como a mentira ou a adesão/criação de grupos sociais.

No caso dos humanos, os investigadores acreditam que este tipo de inteligência é o que torna o cérebro humano tão complexo. Para as galinhas, é o que lhes permite escapar ao processo de seleção natural.

“As galinhas têm a capacidade de raciocinar e fazer inferências lógicas, uma capacidade que os seres humanos desenvolvem aproximadamente aos sete anos. Elas percebem os intervalos de tempo e conseguem antecipar eventos futuros”, explica Loro Marino, autor do estudo da ‘Animal Cognition’.

Marino acrescentou que estes animais “têm comportamentos sofisticados como a discriminação entre indivíduos e exibem interações sociais do tipo maquiavélico”. Tudo isto porque, diz, “aprendem socialmente de formas complexas semelhantes aos humanos”.

Esta extensa avaliação vai mais longe e afirma até que as galinhas não são tão alheias à realidade como aparentam, pelo contrário.

Segundo o estudo, estas aves têm capacidade de autocontrolo e de autoavaliação, o que pode querer dizer que têm capacidade de autoconsciência, tal como a capacidade de raciocinar e fazer conclusões e/ou ligações baseadas na lógica, além de ainda serem capazes de expressar sentimentos tanto negativos como positivos.

Fonte: Notícias ao Minuto