A Autoridade Tributária (AT) em Manica, está a desenhar medidas de combate a fuga ao fisco, que tem estado a contribuir para a fraca arrecadação de receitas para os cofres do Estado.

Para o efeito, o organismo juntou, esta terça-feira, na mesma sala, agentes económicos, a Ordem dos Contabilistas e Auditores, funcionários, entre outros extractos, onde ficou claro que a fuga ao fisco, que está se tornar numa prática reiterada, regista-se sobretudo com a falta de emissão de facturas.

Na ocasião, Manuel Quinze, delegado da AT em Manica, disse que além de falta de amissão de facturação, a falta de documentos de suportes de mercadorias em armazéns, o uso indevido de documentos comerciais não autorizados, softwares inadequados, fazem parte do leque irregularidades.

Outro problema que a administração tributária tem estado a constatar, tem a ver com a emissão de facturas em línguas estrangeiras, usado igualmente como artimanha para a não canalização de contribuições para os cofres do Estado.

Sobre o assunto, Manuel Guizado, presidente do Conselho Empresarial de Manica, disse que “por serem facturas ilegais, os empresários devem ser sancionados ou chamados a regularizar a situação”.

A autoridade tributária atingiu a meta de arrecadação de dois mil milhões de meticais no ano passado e para o presente ano, perspectiva ultrapassar em 30 por cento.

Fonte: O País