As autoridades da Arábia Saudita libertaram, sem acusação, a jovem mulher que apareceu num vídeo a usar uma minissaia em público, dando origem a acusações de desrespeito pelas apertadas regras de vestuário do reino islâmico.

Atelevisão estatal saudita noticiou na terça-feira que a polícia de Riade tinha detido a jovem, por esta ter usado “roupa indecente” e que o caso tinha sido encaminhado para o Procurador-Geral do reino.

No fim-de-semana a jovem saudita partilhou no Snapchat um vídeo dela própria a andar pela aldeia histórica de Ashkir, cerca de 200 quilómetros a noroeste de Riade, enquanto usava uma minissaia, um top curto (a ver-se a barriga) e de cabelo descoberto.

Num comunicado divulgado hoje, o Centro para a Comunicação Internacional saudita informou que a polícia libertou a mulher na noite de terça-feira, após algumas horas de interrogatório. A jovem não foi acusada e também não surge identificada pelo nome no comunicado do Centro.

O mesmo comunicado indica ainda que o vídeo da jovem foi publicado sem a sua autorização.

O reino da Arábia Saudita, país que adota uma interpretação muito rígida do islamismo, aplica um apertado código de vestuário para homens e mulheres.

As mulheres devem andar vestidas totalmente cobertas, da cabeça aos pés, incluindo também o rosto. É igualmente o único país do mundo que proíbe as mulheres de conduzir.

Entre outras restrições que limitam a participação feminina na vida social e pública da Arábia Saudita, as mulheres também não podem sair do país sem a companhia do marido, de um irmão mais velho ou de um tutor.

O Comité para a Promoção da Virtude e para a Prevenção do Vício na Arábia Saudita defendeu na segunda-feira que a jovem saudita deve ser julgada. Para o comité, as roupas da jovem “não têm em conta os princípios islâmicos e os costumes”.

Fonte: Notícias ao Minuto